terça-feira, 25 de julho de 2006



Hoje se comemora o Dia do Escritor! Considero-me um, com vários livros por publicar, amador e amante das letras, em prosa e em verso... Por isso que, no SUPERPOST de hoje (em "edição extraordinária", aproveitando o pouco tempo de que venho dispondo para publicar algo aqui e repetindo o sucesso de 'superposts' de outrora, onde publicava, num único 'post', três obras distintas, incluindo a de outro autor além de mim), dedilho um pouco desta minha paixão interminável em um poema onde homenageio o concretismo do ato de ser poeta e em uma crônica poética que narra as idas e vindas saudosistas de um escritor perdido no tempo... Como desfecho desta pequena homenagem ao ato de escrever (e do ato de viver da pena), não poderia deixar de citar o maior escritor que li até hoje, Machado de Assis, cuja obra maior, Dom Casmurro, me marcou bastante (ainda que também seja fascinado por muitos outros de seus livros, como Memórias Póstumas de Brás Cubas, de onde extraí uma pequena passagem para este post)... A todos os grandes nomes desta ingrata arte de tecer no papel o seu ofício, a Manuel Bandeira, a Drummond, a Cecília Meireles, a Eça de Queiroz, a Fernando Pessoa, a Sá Carneiro, a Augusto dos Anjos, a Cruz e Sousa, a Graciliano Ramos, a Vinícius de Moraes... os meus eternos parabéns e o meu humilde muito obrigado...


Nada mais concreto

A tinta que escorre na parede
Não desce à cor do poema
Mais concreto
(Fechada seja a mente
Posta a descoberto)

Ser do sol, sal da terra
E o chapéu se foi com o vento
Chega gesso, falta cimento e se espalham as cinzas
Escrever é meu contentamento
Ao desabar
Em desatino...

(Dilberto L. Rosa, in À Beira do Derradeiro Solstício)




Abrindo meu papel

Acendo a luz e percebo que se trata de um antigo escrito, coisa minha de mais de dez anos. Volto a procurar, só que agora tento encontrar na folha algo meu perdido em alguma linha, uma inocência que talvez o tempo não tenha feito curvar...

O pior é que só vejo a mesma essência do eterno presente de mim: ainda que papel velho, sou eu mesmo que falo ali com a mesma voz cansada de agora, como se ontem e hoje se dobrassem para me lembrar de quem realmente sou...

E o papel ainda conta tantas coisas mais, como que se desdobrando em tantos outros que com ele guardam ligação (eterna continuidade abstrata, talvez mesmo sem valor): todos me aguardam no escuro, nem sei se dobrados ou não...

Por fim dobro o papel, fazendo-o curvar-se ao meu controle e a tudo que ele passou, como papel velho e amarelado, para chegar até aqui - a curvar-se mesmo sobre si, desdobrando os tantos eus que ainda restam em mim...

Encontro, ao léu e no escuro, o que parece ser uma velha folha de papel. Tateio e procuro achar os vieses de algo que há muito já se tenha dobrado, porém não encontro os tais machucados - a folha parece que nunca se curvou...

(Dilberto L. Rosa, in A Prosa de Meu Agora Outrora...)



Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908)

"Mas é isso mesmo que nos faz senhores da terra, é esse poder de restaurar o passado, para tocar a instabilidade das nossas impressões e a vaidade dos nossos afetos. Deixa lá dizer Pascal que o homem é um caniço pensante. Não: é uma errata pensante, isso sim. Cada estação da vida é uma edição, que corrige a anterior, e que será corrigida também, até a edição definitiva, que o editor dá de graça aos vermes."

(Trecho de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", 1881)
 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran