segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

São Luís Merece...


Na semana passada, numa breve postagem que fiz em meu perfil na rede social Facebook, alguns amigos captaram tão somente a beleza poética da foto que compartilhei e nomeei com o título “Retrato de São Luís do Maranhão” (vide acima), quando, na verdade, referia-me à metafórica relação “Davi e Golias” no contraste entre uma pobre embarcação no canto direito e, no oposto da foto, um gigante navio que despontava no horizonte, a esperar por sua vez de desembarcar sua milionária carga no Porto do Itaqui... Nada que não exista em qualquer cidade brasileira de qualquer estado deste nosso País de contrastes sociais e políticos. Mas aqui em São Luís a situação é sempre mais desesperadora: temos Sarney e seus asseclas - e estes são tantos que, mesmo depois de anos de morta toda a família de mafiosos bigodudos, ainda perdurarão as vicissitudes deste paupérrimo Estado...

E eles seguem aí, a olhos vistos, a renegar esta terra a décadas de atraso e de exploração, a condenar o pobre maranhense a sempre se contentar com o pouco que lhe é ofertado, com as migalhas que caem da mesa das negociatas, condicionando-se a um eterno sentimento de pequenitude, de se achar sempre em desvantagem perante o resto dos brasileiros e de, por conseguinte, adorar tudo que é "de fora"... Trocando em miúdos, é como se o querido leitor pudesse pormenorizar o eterno complexo de vira-lata do brasileiro diante da dominação imperialista norte-americana e a encaixasse no microcosmo de um pobre estado nordestino como este, diante do resto do Brasil – e elevá-lo à quinta potência!

Tanto é que ontem, no Teatro Arthur Azevedo, quando da última apresentação desta temporada da inteligente e divertida Pão com Ovo, dirigida e estrelada por artistas maranhenses, a peça começa sua alucinada sátira de costumes regionais brincando com tais estereótipos, após uma interessante exibição de uma espécie de “videoclipe” com imagens locais ao som do hino do Maranhão em ritmo de reggae (como que a querer lembrar aos presentes “esta é sua terra: aprenda a amá-la com suas imperfeições e... Ria de si mesmo!”), com a aspirante a nova-rica Clarice Milhomem (Cézar Boaz), logo em seguida, desabafando com a plateia: “Gente, fico feliz com os engarrafamentos que finalmente nós temos; afinal, qualquer cidade grande e desenvolvida sempre teve isso e eu morria de inveja quando falava com minhas amigas de São Paulo e uma delas dizia ‘Estou presa no engarrafamento’: São Luís merece, né, gente?"...

E esta Cidade é mesmo assim: uma rica Poesia traçada em trapos de cueiros que poderosos usaram há décadas de suas infâncias... E, o que é pior, ainda estão por aí para serem reutilizados! Mas nós, os ludovicenses, somos bem-humorados! O problema é que, se por um lado isso é ótimo por termos farto material para rir de nossas mazelas, tal como na histriônica peça local, enquanto o populacho se ri da "lenda urbana" chamada Sarney, o diabólico octopus estende seus tentáculos infinitos a novos discípulos ignorados pelo grande público... E tudo com seriedade profissional! Só resta batemos palminhas quando um “artista do Sul” fala o nome desta pobre ilha nalgum show lotado – tal como qualquer outro irmão brasileiro diante de algum figurão estrangeiro que grita “I love Brazil” ou “I Love Rio” em qualquer desses megaeventos transmitidos pela Globo...

Exatamente como se deu na semana passada, na passagem da turnê Verdade Uma Ilusão, da diva pop Marisa Monte, por esta cidade, onde, já no bis e desacompanhada de seus ótimos músicos no palco, ao mudar os últimos versos de uma de suas mais famosas canções para “São Luís I Love you...”, a audiência quase veio abaixo. Nada a criticar da mais que caprichada apresentação da imagética cantora de voz divina, com toda a sua ternura coreográfica de finos braços ao ar em cada belíssima interpretação, em meio a belas projeções de variadas obras de artistas plásticos brasileiros, e seus delicados bate-papos com o mar de ludovicenses que lotou o ginásio Castelinho no último dia 22. Críticas sobraram, entretanto, para a produção local do espetáculo: não só faltaram mínimas organizações de trânsito no local (cones já ajudariam!) como a venda de ingressos a mais do que o possível para a arquibancada gerou uma absurda lotação, o que acabou por obrigar todo o meu lado, onde já estava comodamente sentado, a assistir ao show de pouco mais de uma hora e meia em pé por conta do povo que foi se aglomerando na frente com o passar do tempo...

E tome um infernal calor e uma única saída (as outras estavam fechadas para as arquibancadas!) para toda aquela multidão gigantesca sair, a passos de formiga, após o show – só eu e minha esposa levamos uns 45 minutos entre o sair do ginásio, pegar o carro e deixar as abarrotadas ruas do complexo esportivo! Mas obrigado, Senhor: vimos Marisa Monte, pagando 140 reais, o casal e temos que agradecer a estes honrosos membros do Marafolia (espécie de “agência do entretenimento única” do Maranhão, empresa ligada à família Sarney, claro) que nos deram a oportunidade de estar perto de uma cantora daquele quilate, não importando o calor, a venda de ingressos acima da capacidade (e sem respeitar o direito do mínimo legal para meias-entradas) e as péssimas condições de acomodação!

E agora eu vejo, com pesar, uma tragédia de proporções gigantescas numa cidade do Rio Grande do Sul, onde centenas de jovens foram pisoteados, asfixiados e queimados pela ganância do jeitinho brasileiro de subjugar o povo em nome do lucro fácil - e tudo isso arrastado pelo lucrativo sensacionalismo de uma mídia que prefere enterrar centenas em cortejos fúnebres de longos dias de exibição a fiscalizar e denunciar de forma impessoal... Mas Santa Maria tinha uma grande boate, com um grande show, e os meninos agradeciam estar ali sem nem pensar nas milhões de subjugações a que se submetiam...

Infelizmente, não me saem da cabeça as palavras da personagem cômica da peça maranhense, referindo-se à nossa autohumilhação em nome do “desenvolvimento”: imagina se algo acontecesse de errado no show da Marisa Monte, não só eu não estaria aqui a teclar estas mal traçadas linhas como milhares de outras pessoas estariam mortas após eventual desespero diante de uma catástrofe como o incêndio lá do Sul... Se isto acontecesse, Clarice Milhomem, que, do alto de sua satírica visão tragicômica deste estado que se esquece de si mesmo a cada dia, que já achava lindo um "tornado dos Estados Unidos, diferente daquele tufãozinho da nossa praia da Raposa", facilmente diria em alto e bom tom: “Uma tragédia no show de Marisa, igual a do pessoal de cidades desenvolvidas de fora, finalmente... Afinal, São Luís merece, né, gente?"
|

5 comentários:

Suzane Weck on 3 de fevereiro de 2013 15:39 disse...

Ola meu grande amigo "MORCEGO",Não sabia que já estavas no ar novamente,hoje por acaso visitando o blog da amiga "LE" vi teu comentário.Já esquecestes de minhas musicas?Ou já não agradam mais?Foi um prazer novamente ler uma de tuas ótimas postagens.Meu abraço.SU

Claudinha ੴ on 3 de fevereiro de 2013 19:19 disse...

Meu DILeto amigo, por aqui o que chega de São Luís é elogio. Os turistas adoram e está em meus planos num futuro conhecer sua terra. Mas só quem vive sabe a delícia de ser o que é. Sabe dr Sheldon,ops, DIL, nem sempre as pessoas compreendem o mais profundo do que queremos dizer e sua imagem à la Davi e Golias os pegou pela beleza, que é o mais chamativo.
Os descasos, inclusive em eventos com o público em risco, infelizmente não estavam nas listas de prioridades. Não sei agora...
Um beijo procês!

Daniele Rodrigues de Moura on 4 de fevereiro de 2013 21:19 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ruby on 4 de fevereiro de 2013 23:23 disse...

O pior é que Sarney não se limita a São Luís, tem o restante do estado. Mas o contraste é visível, acho que deveria ser mais valorizada pela "família real", afinal é a "sede", mas esses eventos bons dão pra esquecer um pouco essas coisas. Marisa cantando esses versos deve ter sido maravilhoso, vale a dificuldade de locomoção dentro e fora do evento e o dinheiro pago.

Elizabeth F. de Oliveira on 7 de fevereiro de 2013 17:22 disse...

Pois é, meu caro, eu lamento profundamente esse pseudo ar de desenvolvimento no qual esta cidade está imersa. Quando éramos uma província somente, pelo menos podíamos nos locomover sem os infernais engarrafamentos. Saudade daqueles tempos, pois de lá pra cá, não muito mudou, a não ser esse falso ar de modernidade, com vias expressas que só funcionam de um lado. rs
Abçs e agora com leitura em dia! rs

 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran