terça-feira, 27 de outubro de 2009

"Buuuu...!"


Cruzes!

"Um encanador que sofria de dores crônicas no abdome e sangramento no umbigo finalmente resolveu o seu problema. E de um modo inusitado: o inglês "pariu" um gêmeo depois de 30 anos. Gavin Hyatt trazia na barriga, sem saber, restos embrionários do irmão que não nasceu.

'Foi como se fosse o filme Alien. Eu não acreditava em Gavin quando ele dizia que algo saía do seu umbigo até que eu vi', comentou o médico Joe Santos, que realizou a cirurgia para extração do pequeno irmãozinho do encanador de Oxfordshire." (extraído de Page not found: Fernando Moreira, publicada originalmente no The Sun)

Sei que esse tabloide inglês inventa muita coisa bizarra, já é de seu feitio, mas essa aí, de tão esdrúxula, acabou virando "verdade" de tão recontada em inúmeros outros 'sites' e rodada por 'e-mails'. O pior é o final da tal matéria: o tal inglês guarda agora o "maninho" (feto que cresceu 4 cm ao longo das 3 décadas) num pote (foto)!

O macabro... Ah... O macabro!

Por que isso chama tanta atenção? Por que junta tanta gente diante do 'freakshow' de alguém deformado pela natureza, para ganhar algumas moedas em praça pública? Por que uma batidinha de carros provoca um engarrafamento bem maior que a obstrução dos carros na pista? Pois eu lhes digo, amedrontados blogueiros de plantão: o ser humano adora o macabro, tanto o distante, num mero filme de Horror, como o imediato, os destroços de uma tragédia que poderia acontecer com você... Deformidade... Corpos no chão... Sangue... "Morreu alguém?" é a primeira coisa que se escuta no ar... "Não" "Aahhh..." Trágico...

Não me estico para ver ninguém inchado ou com duas cabeças ou ensanguentado à beira da morte à beira da estrada, não: viro a cara! Mas fico invocado com essa invocação humana, independente de raça, sexo, posição social ou credo... Na verdade, até as religiões têm seu pé no macabro: ou alguém aí já se esqueceu dos sacrifícios e dos assassinatos epopeicos bíblicos ou ainda do sangue animal derramado em rituais de alguns cultos africanos?

Contos da Cripta!

É legal sentir medo: o gostinho de algo maior que nós é estressante e inspira, até hoje, todo o entretenimento em nossa volta... Tinha medo dos filmes de Terror quando menino, mas depois o gostinho e a curiosidade tomaram conta e, mesmo com medo e com um dedo no 'pause' do controle, aprendi desde cedo a amar todas as fitas, de Zé do Caixão ao 'terrir' 'gore' da série Evil Dead, de Twilight Zone a Contos da Cripta, naquelas inspiradas estórias curtinhas e cheias de continuação... É, as Artes não se cansam de brincar com nossos medos e angústias: de Mary Shelley a Stephen King, de Greenway a Lars von Trier, as góticas e angustiantes artes do medo, do sangue e do incômodo visceral sempre reinaram! E eu, que recentemente ando relendo Sandman e passei a ter pesadelos (especialmente com a estória mais assustadora que já li, aquela de Sandman 6!)... E gostei de me assustar com o incômodo cru e feito na raça de O Massacre da Serra Elétrica, que adquiri recentemente... E me diverti com o sucesso de divertidas séries televisivas, como Supernatural... Coisa estranha...

O 'Halloweeeeen'... Não é aquiiiii...!

E tudo isso por quê? O fim dos dias está chegando...? Não necessariamente: é que se aproxima uma data que nós, colônias culturais, andamos importando dos anglo-saxões, o tal 'halloween', o Dia das Bruxas (que antecede o católico Dia de Todos Os Santos - 'halloween', na realidade, é uma versão encurtada de "All Hallows' Even", Noite de Todos os Santos, ou seja, véspera do Dia de Todos os Santos, 'All Hallows' Day'): antes restrita aos cursinhos de Inglês (época em que até eu participei das brincadeiras e comi os doces sem-gosto típicos dos EUA nessa época, nos idos de meus 13 para 14 anos), esta longínqua festa celta foi incorporada ao calendário Inglês, posteriormente ao estadunidense, graças à colonização, agora por aqui também, até em festinha de boate de quinta...

Acho mórbido esse negócio de importar coisa alheia porque a grama do vizinho é mais chique que a minha: morro de medo dessa invasão alienígena, mais do que num clássico 'trash' dos anos 50, como A Bolha! Misturemos culturas neste gostoso caldeirão modernamente globalizado, mas, poxa, logo a gente, que cresceu ouvindo estórias de arrepiar na fazenda de alguém próximo, com o boitatá, a mula-sem-cabeça e o Currupira, vai sair adorando bruxinhas celtas sem graça ou vampirinhos de filmes adolescentes panacas?! Qual o quê... Muito mais gostoso sentir medo em Português! E viva o Saci!


Em alguns lugares do País, já se realiza uma gostosa e criativa resposta de valorização do "produto nacional": em São Luís do Piaratininga (SP) se realizará no próximo fim de semana a segunda edição do Dia do Saci!
|

5 comentários:

Anunciação on 27 de outubro de 2009 22:39 disse...

Reflexões sobre a atração macabra do ser humano coincidentes com as minhas:detesto a visão de pessoas caidas no asfalto e similares.

Sonia Regly on 27 de outubro de 2009 23:57 disse...

Vi seu Blog lá no Blog da Du e vim te convidar para conhecer o Compartilhando as Letras. Sua visitinha me dará muita alegria.

www.compartilhandoasletras.com

Игорь on 28 de outubro de 2009 10:01 disse...

Oi Dilberto

O Post ficou ótimo !

E está certo , o que temos a ver com Hallowew ??? Nada .

------
Lendo seu post me lembrei dos horrendos circos de aberrações da era vitoriana , que de alguma forma
ainda sobrevivem no interior dos Estados Unidos ainda .

-----

Gostava muito dos filmes da Hammer com o Vicent Price , Peter Cushing e Cristopher Lee ...

abraços

Thiago Leite on 28 de outubro de 2009 10:46 disse...

O nome desse encanador italiano é Mario, e seu irmãozinho se chama Luigi.

Cara, hoje de manhã passei ao lado de um acidente na rua e pensei em escrever algo sobre esse impulso mórbido que temos para assistir a espetáculos trágicos de terror. Sabe, isso existe desde a Antiguidade, é só ver algumas tragédias da dramaturgia grega e os coliseus da vida romana.

Sandman é espetacular. Tenho a coleção encadernada da Conrad. É um épico dos sonhos. Mas eu não gosto de cultivar pesadelos, prefiro mantê-los nas páginas dos quadrinhos.

Dia desses vimos, eu e Inês, A Profecia, a versão original. Eu disse a ela que não queria ter pesadelos, mas ela insistiu. Quando terminamos e fomos dormir, ela é quem estava com medo...

Sobre o Halloween no Brasil, não vejo como algo tão negativo assim a incorporação de costumes. Ora, os EUA e a Europa também incorporam coisas nossas, dos países colonizados.

Mas concordo com você no último ponto: nós também temos nossas histórias de terror. Lembro como eu tinha medo da figura da mula-sem-cabeça...

Temos que reconhecer aquilo que não precisa ser substituído por produtos importados e superar nosso complexo de vira-lata.

Francisco on 29 de outubro de 2009 15:36 disse...

Em tempos de Halloween...!! rsrsrs
Grande Dilberto!
O "Pra Ler no Banheiro" está interditado por tempo indeterminado! rsrsr
Sendo assim, quero convidá-lo para visitar o novo blog que inaugurei em parceria com a Cris.
http://elaeraeueueraela.blogspot.com
Esperamos sua visita por lá!
Aquele abraço!

Amigos & Leitores

 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran