quarta-feira, 10 de junho de 2009

"You're just too good to be true

Can't take my eyes off you."



”Sonham os andróides com ovelhas elétricas?”: até as máquinas se apaixonam e desejam a "vida em cor-de-rosa"...

Como diriam os poetas, “A gente vai levando essa gema/ Mesmo com o nada feito, com a sala escura/ Com um nó no peito, com a cara dura/ Não tem mais jeito, a gente não tem cura”... E a gente leva, mesmo, mesmo sem saber pra onde, muito menos pra quê... Felizes são os que choram hoje por amor, porque amam, seja como for... É como diria o Poetinha, “Porque a vida só se dá pra quem se deu/ Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu, ai”... E é assim que deve ser...

Pois os poetas é que sabem das coisas... E viva os poetas e as poetisas, de carteirinha ou não, que abraçam a causa do amor em suas vidas como o mote maior, como a razão de tudo... Não aqueles que amam em cada esquina, não: esses vivem a dizer que se enganaram na rua anterior, mas nem sabem se perder... Quem ama se perde sabendo exatamente onde (e com quem) pisa!

E tantos foram os poetas que já falaram de amor em suas canções desde que o mundo é mundo e que no lugar do coração era o baço! Amor de trovador, amor em preto em branco, "amor 'I Love you'”, ‘mon amour’, "chuchu", e todos os paramentos sérios e tresloucados que a este sentimento é gentilmente dispensado...


Não consigo parar de te olhar: Cena do filme Dez coisas que odeio em você
”Amor é vida; é ter constantemente/ Alma, sentidos, coração – abertos/ Ao grande, ao belo, é ser capaz d’extremos,/ D’altas virtudes, ’té capaz de crimes!”: cada amor é um ‘show’ particular...

O Português é a melhor língua, especialmente se for para dizer sobre amor... Desde os nossos desacorrentados da Era do Rádio, passando pela melancólica felicidade da Bossa Nova, até o ‘pop’ dos descolados anos 70 e 80... Mas, 'I don’t know' (“I don’t knooooowww...”, como diria aquele ‘beatle’ sobre o fato de existir algo no jeito de ela saber, sorrir e se mexer...), lembrei-me destas três belas canções sobre o amor em Inglês, que também dizem tanto... E, neste dia 12 que já chega, embora um dia dos namorados inventado comercialmente, diferente daquele em Inglês e em fevereiro, o que importa é celebrar o amor que se quer, o amor pelo que se luta, aquilo pelo que se acredita, não importa o que sobre de nós ao final... Pois, como diria aquele poeta razoável, Dilberto L. Rosa, “O animal que somos nós dois/ nos devora e nos afaga/ na eternidade dúplice e dialética/ que digere, lentamente, nosso amor”...


”Everybody finds somebody someplace/ There's no tellin' where love may appear”: todo mundo ama alguém um dia... Todo mundo se apaixona por alguém de algum jeito... E ninguém sabe a hora nem o lugar em que isso pode acontecer de verdade...
|

1 comentários:

Francisco on 10 de junho de 2009 12:59 disse...

Poeta razoável?
Você fez uma síntese do verdadeiro amor, reunindo músicas e poemas que mesmo o maior "coração de pedra" fica apaixonado.
Um abraço!

 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran