domingo, 10 de agosto de 2014

Pais Cinematográficos



Há quanto tempo não vou ao cinema... Tudo bem que, mesmo quando tinha mais tempo livre, eu já ia bem pouco, dada a falta de paciência com os perturbadores da paz cinematográfica, com seus celulares inoportunos e suas conversas fora de hora dentro da sagrada sala escura! Mas, ainda assim, na distância, por vezes a saudade apertou e eu bem que gostaria de ter visto, mais para o começo do ano, uma penca de filmes: Ela, O Lobo de Wall Street, Serra Pelada, Walt nos Bastidores de Mary PoppinsCapitão América 2, Noé, Ninfomaníaca, X-Men Dias de Um Futuro Esquecido... O tempo passou, a barriga de minha esposa só aumentando e acabei vendo apenas o novo (e razoável) Robocop do Padilha, em fevereiro! Quem sabe eu não dou um jeito de olhar os badalados da vez O Planeta dos Macacos - O Confronto ou Os Guardiões da Galáxia em meio a uma troca de fraldas e um arrotinho dos gêmeos?

É claro que a mais velha, Isabela, ainda não acompanha a Sétima Arte igual ao pai, tendo em seu currículo apenas trechos de Cantando na Chuva e Mary Poppins, que, somados em suas cenas mais reprisadas e trilhas sonoras tocadas à exaustão no carro, já forma inúmeras apresentações inteiras dos dois filmes! Sua "videoteca pessoal", porém, ainda se limita a DVDs infantis como os da Galinha Pintadinha, com o predomínio de videoclipes musicais, que acompanha, com bom interesse, em toda a sua costumeira duração de 30 minutos em média cada um... Por isso, a não ser por alguns clássicos Disney que ando comprando para a minha própria coleção e que, oportunamente, serão dela (Alice no País das Maravilhas, Branca de Neve e Os Sete AnõesFábulas Disney e quase todos os da Pixar), Cinema só deve vir mesmo a ser assunto da minha garotinha, creio eu, quando esta já tiver seus 5 ou 6 anos, ocasião em que espero levá-la para ver um bom na tela grande...

Falando nisso, até tive tal "oportunidade" no ano passado, quando, por ocasião das "homenagens" ao Dia dos Pais onde minha pequena estuda, o colégio resolveu organizar uma ida ao cinema para ver uma animação da moda de então (creio ter sio o simpático Meu Malvado Favorito 2) – a "tentação" até que foi grande, mas, refletindo sobre a idade de então da minha garotinha (3 aninhos), vi que tudo não passaria de um grande engodo escolar, onde eu só gastaria dinheiro em meio à algazarra da gurizada e nada guardaria de especial de um momento que deve ser tão importante na relação entre um pai e seu filho: a primeira ida à grande e sagrada sala escura da tela mágica... Sendo assim, novamente nesta época de homenagens aos pais, os Morcegos resolveram investir no tom paterno e relembrar alguns pequenos clássicos que trataram da maravilhosa relação entre um (ou vários) pai(s) e sua(s) garotinha(s)...

Isto porque, na semana passada, diverti-me muito revendo num canal a cabo alguns trechos do clássico O céu mandou alguém (The 3 Godfathers), fita "menor" de faroeste do famoso diretor John Ford (No Tempo das Diligências) onde o eterno cowboy John Wayne e mais dois brucutus vivem três ladrões em fuga que, no meio do deserto, adotam uma órfã neném. Hilário quando encontram um livro sobre como cuidar de bebês e passam a contestar os métodos ortodoxos daquele tempo (o filme é de 1948, mas a estória se passa no século XIX), como "jamais dê banho no bebê em sua primeira semana" ou "passe graxa no corpinho da criança"... Bendito hidratante! Mas, como os brutos também amam no Velho Oeste, uma das cenas mais famosas do filme ficou particularmente marcante: quando um deles surpreende os demais ao cantar para a garotinha pegar no sono...

E quem pode se esquecer de Bancando A Ama-Seca (Rock-a-Bye My Baby), onde o "Rei da Sessão da Tarde", Jerry Lewis, por aqui homenageado na última postagem, vivia um simplório "faz-tudo" de uma cidadezinha interiorana que, de uma hora para outra, tinha que penar para dar conta de adoráveis trigêmeas abandonadas numa cesta na soleira de sua porta?! Até hoje me lembro da seqüência onde o comediante, diante do escapulir de um dos bebês em meio a uma nuvem de talco, grita apavorado: "Eu perdi um bebêêê"! Mas tocante mesmo era a cena em que o genial trapalhão põe as pimpolhas para dormir cantando um clássico de ninar italiano, "Dormi, dormi, dormi"...

Porém, o mais lembrado ainda hoje, especialmente pelos papais de primeira viagem, talvez pelo grande número de reprises na Globo, é Três solteirões e um bebê, adorável refilmagem norte-americana (o original é francês) com Tom Selleck (o eterno Magnum), Steve Guttemberg (de Loucademia de Polícia) e o grande Ted Danson como os três 'bon-vivants' do título, que têm suas vidas completamente transformadas após uma linda recém-nascida, depois descoberta como filha de um deles, ser deixada na porta do elegante apartamento do trio de bem sucedidos solteirões! "Como é que uma coisinha tão pequena faz tanto cocô?" (Gutemberg em seu primeiro dia como "pai") e "Não importa o que estou lendo, mas, sim, o tom da minha voz" (quando Selleck é flagrado lendo um livro sobre lutas de boxe em terna voz suave para a neném) são frases que ficaram célebres – assim como também a cena que, pelo visto, nunca pode faltar nesse tipo de filme: a da "canção de ninar", onde os solteirões cantam um clássico dos anos 50 ("Goodnight, Sweetheart") para botar a menininha para dormir...

São tantos os filmes com este mesmo cativante enredo que os clichês são facilmente perceptíveis entre pequenas variações em torno da mesma ideia... Mas quem se importa? Quase um "subgênero paterno", a maioria dessas comédias é simplesmente adorável em torno de papais por acaso, mas sempre bem intencionados com suas trapalhadas em torno de lindas garotinhas, que, de uma forma ou de outra, acabam por nos marcar por muito tempo... Mais ainda nesta época do ano, quando, com um sorriso encabulado nos lábios e cheio de orgulho, revejo um filme maravilhoso passar na minha mente de pai cinéfilo: a filha mais velha a caminho do primeiro longa-metragem ao meu lado e, agora, um lindo casal de gêmeos a reprisar a trajetória pelos musicais infantis mais fofinhos dentro em breve... E, por trás de tudo isso, um pai babão a cuidar das três com a devoção mais cinematográfica (e sempre cantando para os três na hora de dormir)! E, garanto a vocês, levando o maior jeito em todas as áreas, do cocô ao banhinho, sem a menor possibilidade de perder nenhum dos três no talco!

|

1 comentários:

Anônimo disse...

Que pena que você não pode saborear de títulos tão incríveis: Ela, O Lobo de Wall Street, Ninfomaníaca.. Confesso que esse último me deixou um pouco decepcionado por ter reconhecido tão pouco os traços singulares de diálogos incríveis e cheios de questionamentos sobre a humanidade de Trie, mas os outros foram definitivamente muito bons. Ainda teve Clube de Compra Dallas com a impecável atuação de Matthew McConaughey e o ingênuo Trapaça. Foi uma boa safra, sem dúvida! Porém vejo que o amigo tá bem ocupado (trÊs!! uau). Aproveita, quando vê já estão todos andando adultos e independentes.

Grande abraço,
Cristiano

Amigos & Leitores

 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran