domingo, 11 de novembro de 2007

Colecionadores: Esses Incompreendidos...


"As 3 Prateleiras": a parede do meu quarto que mais reúne das minhas coleções...

Certa feita, o genial e multifacetado Nelson Rodrigues disse uma daquelas suas assertivas que já nasciam eternas: “O adulto não existe; o homem é um menino perene”. Chego a concordar com ele, por tantas vezes que me perguntei quando chega a tal “fase adulta”: nas primeiras solidões? Com a primeira relação sexual? Com a Faculdade? Nas primeiras contas a pagar (juntamente aos carnês)? Sempre senti a transição toda muito gradual, suave, quase imperceptível: não me dói o tempo passar; pelo contrário... Mas ainda me espanta o fato de que tenho 30 anos, à beira de um casamento e de grandes responsabilidades, tendo vivas em mim todas as reminiscências possíveis e imagináveis de minha infância e adolescência... Nem mesmo sei como o maracatu começou, mas sei que vou até o fim!

Creio poder definir-me como um sujeito sério e sereno, tendo sempre me sentido, de certa forma, “maduro” (como uma amiga gostava de dizer: “Nas mazelas da vida, sou bastante maduro: vivo caindo!”), desde muito cedo, por volta dos 14 anos, ocasião quando, além de ter descoberto a Bossa Nova, Tom e Chico em contraste aos hits obrigatórios da idade, viria a namorar uma moça mais velha e sempre carregando pechas como as de “intelectual” ou “sisudo”, dado o meu interesse por coisas “centradas”, sempre um pouquinho mais densas que as generalidades permitidas pela doce adolescência... E digo tudo isso porque, muito longe de me achar “infantil”, hoje me vejo gostar de coisas que por toda a vida gostei – e que algumas crianças ainda hoje adoram! E minha noiva Jandira me acompanha, de certa forma (bem à distância, eu diria, quanto a este quesito), com pequenas coleções que lhe “arranjei”: algumas miniaturas (as últimas que lhe ofertei foram da turma do Shreck) e chaveiros, que ela guarda com carinho...

Por exemplo, adoro Animação, gênero hoje muito longe do que antes se denominava apenas como “Infantil”, e coleciono coisas... Não muitas, mas de variados tipos: carros, motocicletas e aeronaves de ferro em miniatura (a maioria na proporção 1:23 cm), cartões telefônicos, revistas em Quadrinhos e bonecos e miniaturas de meus personagens favoritos do Cinema e dos Quadrinhos. Mas também coleciono “coisas de gente grande”, como livros, CDs e DVDs, revistas Playboy (mais de 80 exemplares, com as temporadas completas de 98 e 99 inclusas), fotografias virtuais... Como um menino que reunia as figurinhas do escrete canarinho de 70 em décadas passadas, eu já me vi mesmo comprando figurinhas para um álbum “adulto”, o “Grandes Marcas”, da Editora Três, no início deste mês – o tema: clássicos anúncios da Coca-Cola... Figurinha é coisa de criança? E desenho animado ou Quadrinhos? E Playboy – coisa de adolescente? Curiosamente, eu lembro que a primeira que descobri e “tateei” foi por volta dos meus tenros 8 anos de idade...

Decerto que devem existir inúmeros estudos a respeito do perfil de alguém “colecionador”, buscando interpretar esses incompreendidos com suas “coisas acumuladas”, mas hoje, do alto de meus humildes colecionismos, percebo duas coisas curiosas: aos 14 anos, eu não colecionava nada – o que não me rotularia hoje, por consequência, como um “adulto frustrado”; e, mesmo hoje, ocasião em que “compro coisas”, ainda posso dizer que estou bem distante do que se possa chamar de um legítimo “colecionador”, a não ser pelo fato de reunir itens bacanas de que gosto e de “jogar dinheiro fora” para comprá-las (“E quanto foi este boneco?” “É uma action figure cheia de pontos de articulação... R$ 65,00” “O Quê?!”). E isso eu descobri depois de conhecer gente da mais alta estirpe: como uma trupe de alienígenas escondidos na Terra de algum filme de ficção científica, muitos desses colecionadores já estão entre nós – e com capacidades muito além de nossa vã compreensão...

Cito um exemplo bem ilustrativo, digno de uma clássica história em quadrinhos: numa recente pós-graduação que cursei numa faculdade local, reencontrei uma antiga colega, Valéria, que então estudava com seu esposo Maurício, sujeito muito simpático que conheci e com o qual passei a conviver uma semana por mês e em alguns encontros fortuitos por São Luís... Eis que Marv Miller (“identidade secreta” virtual de Marco Aurélio, um “pacato funcionário” do Fórum local que conheci por intermédio de outra amiga) surge no mundo virtual e cria uma Comunidade no Orkut chamada “Toca dos Quadrinhos”, a fim de arregimentar aficionados e simpatizantes do universo pop dos desenhos e das revistinhas de ontem e de hoje – e onde se cruzariam estes “universos paralelos”?

Para a minha grande surpresa, na tal comunidade eu descubro Ship, cuja coleção invejável de mais de 500 bonecos articulados estava ligada a um perfil com uma foto que me pareceu peculiar... Era o Maurício: o maior colecionador de miniaturas action figures deste Estado! O mesmo cara da Pós que, algum tempo depois, confessou-me ter mantido esta peculiaridade incrível, por muito tempo, em segredo – tal qual um bom herói das HQs...

Lá se ia minha ilusão de que eu possuía uma “coleção de bonecos”: Sr. Incrível (brinde do McDonald’s), Batman e Robin (Série DC Superheroes), Super-Homem (com a cara do Brandon Routh, de Superman, O Retorno), Darth Vader (Star Wars), He-Man (da série clássica, da Estrela), Lion (dos Thundercats clássicos, da extinta Grasslitte) e Wolverine (com a cara do ator Hugh Jackman, do filme X-Men), dentre outros (num total de 30 bonecos), simplesmente arrefeceram quando visualizaram uma das primeiras fotos do Flogão (espécie de ‘site’ de fotos pessoais) do Maurício – este, sim, um colecionador inveterado!

E o tal do Marv, digo, Marco Aurélio, não ficava atrás quando o assunto eram Quadrinhos: inúmeras obras raras e até de nacionalidades distantes dos grandes eixos pop DC/Marvel, editoras norte-americanas famosas das quais eu mais tinha revistas, faziam, por sua vez, sombra às minhas parcas revistinhas (pouco mais de 200 da “coleção” antiga, compradas na infância, e cerca de 100 das “encadernações especiais” da fase pós-adolescência) compradas na banca mais próxima de minha casa...

Ciente, então, de minha “insignificância” como colecionador, eis que descubro a adorável figura de D. Maria Lílian: comentando sobre alguns títulos em voz alta, como que puxando assunto, nas Lojas Americanas (meu terceiro “santuário”, logo depois de uma livraria e de uma banca) de um shopping local, aquela senhora inteligente de 55 anos (ela mesma fez questão de revelar a idade, dentre outras coisas maravilhosas como deliciosos exemplos de vida...) acabou por tornar-se uma agradável companhia nas quase duas horas de bate-papo – e sobre quem, finalmente, “ganhei” em comparação numérica: no caixa, comprando 6 filmes de uma vez, aquela figura ímpar brincava: “Rápido, moça, passe logo pra cá estes DVDs, que eu tenho que ganhar dos 85 títulos que esse rapaz tem!”...

E nem só de coisas genéricas vive o mundo da coleção: duas semanas atrás fui apresentado ao chefe de Jandira, o Sr. Monteiro, o glorioso “colecionador dos filmes vencedores do Oscar”! “Mas o senhor tem TODOS os ‘oscarizados’, de todos os tempos?” “Estou quase lá, rapaz...” “E as animações vencedoras? Ou os Oscars de filmes estrangeiros?” “Humm... Não havia pensado nisso...”! Sem esquecer os mais de 200 títulos (que ele não aluga – compra!) desta “série oscarizada” inusitada, S. Monteiro ainda reúne peças raras, como antigos bonecos de ferro de guerreiros medievais e soldados da Segunda Guerra, por exemplo... Nem preciso dizer que meus hoje parcos 88 títulos em DVD (entre boxes e edições especiais originais, afora algumas gravações e outros títulos em VHS) ficaram acanhados tão logo souberam de S. Monteiro...

É com encantamento que percebo este “multiverso” até há pouco desconhecido para mim, a não ser por um ou outro amigo mais viciado de longas datas (como Dennis, que desde a oitava série compra gibis e sabe tudo dos super-heróis ianques) e fico contente em ver que tais “manias infantis” vão, aos poucos, contagiando mais e mais pessoas que não têm vergonha de “guardar trecos” com ou sem valor – e de dizer isso em alto e bom som! E o mais engraçado é que, mesmo “perdendo feio” para estas feras, acabei por perceber que saí ganhando: adulto ou menino, dei agora para colecionar amigos com histórias incríveis...

Amigos & Leitores

 

Google+ Followers

+ voam pra cá

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Quem linkou

Twingly Blog Search http://osmorcegos.blogspot.com/ Search results for “http://osmorcegos.blogspot.com/”
eXTReMe Tracker
Clicky Web AnalyticsBlogBlogs Join My Community at MyBloglog!Personal Blogs - BlogCatalog Blog Directory

Outras cavernas

luzdeluma st Code is Copyright © 2009 FreshBrown is Designed by Simran